Google+ Followers

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

O Ser da Velha Ordem



Introdução

O Homem de hoje é mesmo engraçado, para não dizer que seja ridículo e anacrônico...
Crescemos supostamente educados quando na verdade somos filhos de um estratégico adestramento midiático...
Nossas caríssimas políticas de um governo ‘democrático’ não respondem senão aos ditames de uma engenhosa e mascarada ditadura do capital...
A escola também tem a sua parcela de culpa na medida em que só nos enxerta conhecimentos sem qualquer preocupação com valores...
As famílias todas de hoje, porque também domesticadas por um neo-behaviorismo, infelizmente só reproduzem sujeitos incompletos e doentes mentais...
Então da escola demonizada ao convívio social, forjamos assim a nossa mesquinha persona de glutões consumistas e inconsequentes...
E essa ideologia autodestrutiva da globalização é tão forte e persuasiva que sequer nos percebemos num caminho muito errado...
Não conseguimos notar que nos fizeram, literalmente falando, meros ratos do ‘progresso’ em prol do aniquilamento de nossa própria casa...
Tragicamente, quando alguma alma sensata nos exorta á realidade, nosso condicionamento é tal que não acreditamos e ainda fazemos deboche...

Monólogo do raciocínio vulgar:

- O que importa, de fato, é ter sucesso na vida – e para tanto, é mais que natural busquemos nos tornar pessoas de posses e de status...
- Crescimento insustentado, aquecimento global, extinção de espécies como nunca, desigualdades abissais, fome e miséria por toda a parte, isso tudo é coisa de alarmitas...
- Basta que nos concentremos corretamente que pobreza e infortúnios não existem – assim já nos diz o best-seller “the secret”...
- Mais dinheiro, carro do ano, casas na praia, muito luxo e idas ao shopping é sim sinônimo de uma existência bem-sucedida...
- Se eu me dei bem e me criticam como um esbanjador inconsciente, isso com certeza não passa de inveja dos desocupados...
- Que o planeta em pouco tempo não irá mais agüentar, fala sério, isso é repetido desde os idos da minha avó...
- E mesmo que isso tudo fosse verdade, eu vou me mexer pra que quando todo mundo não tá nem aí pra essa coisa toda...
- Se logo logo vai faltar água com se tem propalado largamente, que se dane, caramba; eu pago meus impostos...
- Se não há mais lugar onde se depositar as toneladas de lixo que eu e minha família produzimos, porra, isso é uma questão de política pública...
- Se a matriz energética não irá dar conta em mais meia década, gente, eu pago a minha conta de luz sempre em dia...
- Se eu troco de carro a cada ano e além de poluição me vêem com essa conversa de falta de espaço, eles que se virem porque eu não sou a industria automobilística...
- Se as pessoas são exploradas de mil e uma formas, eu sinto muito mas a culpa não é minha por sua extrema má sorte na vida...
- Se as empresas poluem, desmatam e contaminam as águas e alimentos, eu não passo de um mero trabalhador, poxa...
- Quando eu ver na prática que as pessoas estão mudando de verdade, neste caso eu mudo também...
- Até lá, no entanto, que não me venham com essa conversa fiada, pelo amor de Deus...
- Até porque, segundo me consta, Deus não é senão outra coisa que uma bela invenção religiosa para enganar as pessoas tolas e ingênuas...
- Aliás, esse papo todo de consciência e espiritualidade é coisa para os fracos e pobres de espírito que se ressentem da grandeza dos ricos...
- Por isso é que eu odeio esses grupos todos de ambientalistas, pseudo-cientistas da visão sistêmica e núcleos afins – Essa gente toda que só sabe ver chifres em cabeça de cavalo.


L. Janz – 11/08

2 comentários:

  1. Você há de convir que é muito difícil alguém de mente fresca forjar sua própria e emancipada estrutura de pensamento se não contar com elementos preexistentes. Por isso, no mais das vezes, não somos nós culpados 100% pela nossa mediocridade de pensamento.

    Poderia me estender mais nesse assunto, mas minha cabeça tá doendo muito! Continue nossa luta, sei que ela é nobre, embora muitas vezes não sejamos nobres à altura dela...

    Abçs e Paz Profunda!

    ResponderExcluir
  2. Leonardo

    Minha descrença na população mundial,ou na raça humana mesmo é justamente isso. Desde que muito pequeninos, somos "educados" a ser capitalista. Aprendemos que termos que ter para ser. E esse "ser", é inclusive ser respeitado pela própria sociedade.
    Já cheguei a ouvir diversas vezes por pessoas que jogam lixo nas ruas, que elas fazem isso pois senão os coletadores de lixo não teriam emprego.
    Absurdo dos quais aqueles que não economizam água por pagarem seus impostos também é muito comum.
    Portanto meu caro, eu confesso que estou desistindo de lutar para conscientizar as pessoas. O que eu faço é tentar abrir a mente daqueles quais convivo. O restante? Já não tenho mais forças.
    Adorei seu post.
    Beijos.
    Barbara

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Muito Obrigado!
*Responderei o mesmo assim q possível*