Google+ Followers

domingo, 23 de janeiro de 2011

Uma reflexão de passamento



Obs: um singelo texto em lembrança e homenagem a um querido amigo recentemente "transferido" para outras paisagens. A ti, nossas vibrações de carinho!

Nós não estamos aqui para destruir; mas, também não estamos aqui para construir nada que seja. O único objetivo real de nossa existência é o de compreender, interagir e simplicar o mundo das formas.. O verdadeiro progresso não se faz pela complexidade.

É preciso que vejamos a única coisa digna de se aprofundar e entender neste mundo: pela sofisticação e nós rumamos ao infinito; enquanto que, pela simplicade, nos aproximamos do eterno. Pode parecer que aí não haja diferença alguma, porém, entre um e outro caminho existe um cosmos que os separa e interconecta.

Reflitamos pois neste singelo pensamento, o qual contem em si todos os infinitos mistérios e o grande segredo deste nosso universo: “from it to the bit”. A tradução é mais ou menos assim: “e disto para aquilo”, onde cabe, inclusive, uma dupla implicação de sentido.

Para onde nós estamos indo é o que todos se perguntam frequentemente. Uns acreditam no que lhes dizem a ciência; outros no que lhes dizem a religião; outros ainda no que lhes inspiram algumas filosofias e correntes sócio-políticas; uns poucos, entretanto, não acreditam senão em si mesmos.

A verdade verdadeira, portanto; a realidade do caminho, como se diz muito acertadamente, é única e tão somente o caminhar. Para além disso e nada existe... Mas, qual o sentido disto tudo para aqueles, pois, que se cansaram das múltiplas e intermináveis rotações e se quedam então paralizados diante do absurdo da vida¿ A conceitualização não tem fim...

Haveria, desse modo, uma qualquer medida capaz de comparar satisfatoriamente entre o ator e a platéia; entre o dançarino e o espectador; entre o compositor e o ouvinte; entre o louco e o doutor¿ Aqueles que muito pensam o mundo diferem em algo daqueles que o contemplam¿ Essas são questões importantes de se fazer.

No fim do grande fim o que nos sobra de mente é apenas isto: se nos alarga o horizonte e se nos aprofunda a percepção de todas as coisas. Pelo olhar livre da visão correta e se nos desvela a veracidade da rede infinita.. Para além dela, nada mais há que seja visto ou projetado. Tudo sempre se desfaz e então se refaz até que não mais se imagine, mas seja.


L. Janz, 22.01.2011

2 comentários:

  1. "A realidade do caminho, como se diz muito acertadamente, é única e tão somente o caminhar".
    Acreditar em si mesmo e seguir, sem temor, é - na minha concepção - a melhor opção de vida.
    Abraço,
    Sersank

    ResponderExcluir
  2. Seu blog e excelente, seus textos também são ótimos, vou tentar me inspirar no seu blog para melhorar o meu, se quiser depois e só da uma olhada o link ta logo a baixo: http://derlandreflexivo.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Muito Obrigado!
*Responderei o mesmo assim q possível*