Google+ Followers

sábado, 8 de novembro de 2008

Da ecofilosofia

Grande parte das filosofias ocidentais tem ignorado o mundo natural, atendo-se mais ao nível do espírito. Nas últimas décadas, porém, vem emergindo uma filosofia centrada na valorização do meio ambiente, chamada ecofilosofia. Nesse contexto, surgiu, em 1973, a chamada ecologia profunda, proposta pelo filósofo norueguês Arne Naess (nascido em 1912), que prefere falar em ecosofia, que seria sabedoria ligada ao meio ambiente. Já na década de oitenta, foram formulados os fundamentos dessa vertende da ecofilosofia. Trata-se dos oito Princípios da Plataforma do Movimento da Ecologia Profunda, reproduzidos a seguir.

1. O bem-estar e o florescimento da vida humana e da não-humana sobre a terra têm valor em si próprios (sinônimos: valor intrínseco, valor inerente). Esses valores são independentes da utilidade do mundo não-humano para propósitos humanos.
2. A riqueza e a diversidade das formas de vida contribuem para a realização desses valores e são valores em si mesmas.
3. Os humanos não têm nenhum direito de reduzir essa riqueza e diversidade exceto para satisfazer necessidades humanas vitais.
4. O florescimento da vida humana e das culturas é compatível com uma substancial dimimuição na população humana. O florescimento da vida não-humana exige essa diminuição.
5. A interferência humana atual no mundo não-humano é excessiva, e a situação está piorando rapidamente.
6. As políticas precisam ser mudadas. Essas políticas afetam estruturas econômicas, tecnológicas e ideológicas básicas. O estado de coisas resultante será profundamente diferente do atual.
7. A mudança ideológica é basicamente a de apreciar a qualidade de vida (manter-se em situações de valor intrínseco), não a de adesão a um sempre crescente padrão de vida. Haverá uma profunda consciência da diferença entre grande e importante.
8. Aqueles que subscrevem os pontos precedentes têm a obrigação de tentar implementar, direta ou indiretamente, as mudanças necessárias .

Esses princípios têm por base idéias de Arne Naess, mas foram formulados com a colaboração de George Sessions (cf. Deep ecology, de Bill Devall, George Sessions. Salt Lake City: Gibbs Smith, 1985).
Nas palavras do próprio Naess, ecosofia é “uma filosofia de harmonia ou equilíbrio ecológico. Filosofia como um tipo de sofia ou sabedoria é abertamente normativa, contém normas, regras, postulados, anúncio de prioridades e hipóteses relacionados à situação do universo. Sabedoria é sabedoria política, prescrição, não apenas descrição científica e predição. Os detalhes de uma ecosofia conterão muitas variações devidas a diferenças significativas relacionadas não apenas aos ‘fatos’ da poluição, dos recursos naturais, da população, etc. mas também a prioridades de valores”.
Os princípios de n. 1, 2 e 3 da Plataforma do Movimento da Ecologia Profunda têm a ver com a questão da biodiversidade. De acordo com eles, todos os seres vivos têm direito a ser respeitados como tais, eles têm valor em si mesmo quer os humanos pensem assim quer não. A própria biodiversidade favorece a valorização desses seres, uma vez que todos estão inseridos em ecosssitemas em que cada um tem um papel a exercer, mesmo que isso não traga vantagens imediatas para os humanos. A ecologia profunda é ecocêntrica, não antropocêntrica como muitos movimentos ecológicos, como é o caso do movimento da ecologia rasa.
O movimento da ecologia rasa pode até lutar contra a poluição e a depredação dos recursos naturais. Mas, seu objetivo central é a saúde e a o bem-estar dos povos dos países desenvolvidos, uma vez que põe em primeiro plano o desenvolvimento econômico, não o desenvolvimento pessoal. Portanto, contrariamente ao movimento da ecologia profunda, não vai a fundo nas questões ambientais. Ele se atém a interesses humanos de curto prazo. Ele é formado por movimentos e idéias pretensamente ambientais que, a despeito de bem intencionados, não têm por objetivo modificar o atual estado de coisas. Por serem antropocêntricos, freqüentemente, chegam a justificar a depredação da natureza em nome de um passageiro bem-estar humano. A ecologia profunda, ao contrário, questiona os próprios fundamentos de nossa civilização “ocidental”, centrada na economia, não na ecologia. Mas, ela o faz sem recorrer à violência. Pelo contrário, seus partidários são explicitamente contra qualquer forma de violência. Tanto que uma das inspirações de Naess é Mahatma Gandhi.
Naess salienta que o mais importante não é o índice de desenvolvimento econômico, medido em PIB, por exemplo. Pelo contrário, desenvolvimento só se justificaria se tivesse por objetivo um índice de desenvolvimento humano, portanto, IDH, não propriamente PIB. Nesse ponto ele quase concorda com o eco-economista Lester Brown, que defende a tese de que os economistas deveriam trabalhar junto com os ecologistas, a fim de se averiguar o ônus do desenvolvimento econômico, como exaustão dos recursos naturais, diminuição dos mananciais de água, desmatamentos, efeito estufa e outros.
Uma das idéias centrais da ecosofia proposta por Naess e colaboradores é ter uma visão total e compreensiva de nossa situação humana e individual. Isso significa que o indivíduo está incluído no meio ambiente. Não faz sentido fazer uma separação rígida entre eu e o mundo. O eu faz parte do mundo. Isso implica uma visão que contemple a diversidade das manifestações do mundo, embora para cada indivíduo o importante seja a auto-realização, o que significa que ele precisa levar em conta a auto-realização dos outros indivíduos. Dentro da visão de tolerância que caracteriza a ecofilosofia ou ecosofia, como Naess prefere chamá-la, crenças diversas podem ser acomodadas. Para isso, foram previstos Níveis de Questionamento e Articulação. No Nível I, das Premissas Primeiras, estão os princípios que cada um segue, suas convicções pessoais. Aí podem incluir-se os seguidores do taoísmo, do cristianismo, da ecosofia de Naess (que ele chama de Ecosofia T) assim como pode se incluir a minha ecosofia (que chamo de Ecosofia A), a sua visão de mundo e assim por diante. Esses movimentos só são aceitáveis pelos seguidores da ecologia parofunda se se enquadram nos preceitos do Nível II, que é o Movimento dos Princípios da Plataforma visto acima. O nível superior, Nível III, é o das políticas seguidas. Dependendo das Premissas Primeiras que o indivíduo segue, ele poderá ter uma política A, uma política B, uma política C e assim por diante, mas sempre filtradas pelos princípios do Nível II. O último nível, o Nível IV, é o das Ações Práticas, que podem ser W, X, Y etc. É o nível em que se aplicam os princípios na intervenção sobre o mundo. Como vimos, isso se dá de forma pacífica. Pode haver muita diferença de estratégia no Nível III e de tática no nível IV, contanto que não infrinjam os Princípios do Nível II. No fim, tudo converge para a idéia central de valorização da diversidade, de respeito por todas as formas de vida e pela própria natureza mineral.
Enfim, a ecologia profunda, ou ecosofia, representa uma nova maneira de ver o mundo e de se relacionar com ele. Antes de tudo respeitar a diferença, agir de modo benevolente, evitar suntuosidade, procuarar aproximar-se da natureza exterior aos nossos corpos físicos, na medida do possível. Todos os males do mundo moderno vêm de nosso distanciamento da natureza, de nossa ganância, que nos leva a sempre querer mais e nunca ter tempo para simplesmente viver. Os mais ricos não são necessariamente os mais felizes e os mais pobres não são necessariamente os mais infelizes.

Por Hildo Honório do Couto.

Fonte: http://www.revistameioambiente.com.br/2006/12/22/a-ecologia-profunda/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário. Muito Obrigado!
*Responderei o mesmo assim q possível*