Google+ Followers

domingo, 29 de agosto de 2010

Saboreando o vazio sem Sentido.



Depois que passamos a compreender um pouco mais sobre os multiplos e infinitos processos do “self”, da “identidade”, do “eu mesmo” (isso pela própria experiência) tudo começa a ficar por demais engraçado e mesmo ‘delicioso’.

Hoje e vivemos numa sociedade cada vez mais veloz e mais volumosa; isto, por sua vez, essa como que ‘ditadura’ da in-form-ação atropelada, nos torna a cada passo mais atormentados, mais perdidos, confusos e sem rumo.

Mas isso tudo tem um sentido, que, por mais curioso que seja, é justamente com o fim de nos tornar a todos absolutamente sem qualquer sentido. Isso não é engraçado? Esse movimento informacional crescente tende a algo bastante conhecido pela maioria de nós.

Me refiro exatamente ao caos; aquele mesmo da físico-química que nos fala sobre a entropia dos sistemas. O que temos hoje, por esse aumento exponencial da complexidade de ‘nossas mentes’, não tem outra direção que não essa.

É assim mesmo. Puxados por esse torvelinho e tendemos inexoravelmente a nossa falência interior. A complexidade se agiganta de tal forma que, literalmente, num dado momento, colapsa então a nossa ‘personalidade’.

Estamos fadados a isso; é inevitável! E embora o processo tenha um largo espectro variável de intensidade no íntimo de cada um, todos iremos nos desmanchar, uns após os outros. O grande problema, obviamente, é que nem todos conseguem lidar bem com isso.

O que estamos a vivenciar nesta nova era da pós-modernidade é um fenomeno único ao longo de toda a história humana. Uma auto-implosão da linguagem. E com ela vai-se também a nossa ‘caríssima’ objetividade e tudo o mais de imagético que ela contem.

A linguagem implode – já não há mais nada a se falar que já não se saiba de “por si”. O mundo objetivo se faz agora completamente relativo e inter-subjetivo, no que a falência do Eu se converte no instante imediatamente seguinte.

Compreender isso por meio de palavras, por meio do muito que dizem os filósofos, eruditos, religiosos e científicos não nos será possível; não obstante este seja o principal instrumento que, com certeza, há de nos desconfigurar todas as bases.

Por conseguinte, com todos os nossos conceitos, imagens e perspectivas em conflito e auto-anulação, é isso mesmo que então nos lança livres no vazio sempre-presente. “Para encontrar-se é preciso antes estar perdido.”

Não tenhamos medo pois do que há para além da luz; para além daquilo que não conseguimos ‘ver’. O muito que há de aparentemente sem sentido no mundo também tem o seu propósito. E para tanto, basta que tenhamos a ousadia e possamos então sair do lugar-comum.

L. Janz - 29.08.10

2 comentários:

  1. Nossa Léo, que texto complexo, e ao mesmo tempo reflexivo.
    Gostei da frase, na qual relata,"“Para encontrar-se é preciso antes estar perdido.”
    Nos faz refletir sobre nós mesmos, e desperta a pergunta nao-respondida, "quem sou eu"?.
    Parabéns mais uma vez, pelo maravilhoso texto, por ajudar a despertar uma pergunta, que nao encontro respostas, mas que continua guardada no meu sistema nervoso central, rssrs.

    lyh Sousa

    ResponderExcluir
  2. Por isso que a coragem é requerida na caminhada espiritual. Só os corajosos avançam. Tenho lido tuas postagens. Muito instrutivas e inspiradoras.Parabéns! Hermes (Issarrar)

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Muito Obrigado!
*Responderei o mesmo assim q possível*